domingo, 17 de julho de 2011

Quem é o dono da Verdade? (parte 1)

(Como texto é muito grande, resolvi dividi-lo em duas partes.)

Eu nunca gostei de gente que se acha dona da verdade e tenta impor sua ideologia aos outros. Por ser agnóstico, eu acredito que grande parte dos mistérios do Universo jamais serão conhecidos pelo ser humano, seja este qual for. É claro que existem homens e mulheres iluminados, de mentalidade superior, mas mesmo estes ainda continuarão sendo seres humanos, com seu defeitos e lados obscuros.

Com já sabem, não me oponho ao Feminismo por um único motivo, mas por inúmeros. A presunção, a arrogância, a crença de que são detentoras da Verdade e da missão transformar o mundo é irritante. Os “comunas” são outro tipo de gente que se acha superior e chamam de “alienados” todos aqueles que não compartilham de sua utopia de mundinho igualitário, sem classes e sem violência. Aos religiosos, a mesma coisa. Respeito as pessoas que seguem uma religião, seja ela qual for (exceto aquelas que tiram a vida de inocentes em rituais), mas dentro das religiões existem grupos radicais e intolerantes que não só atacam membros de outra religião, mas também os não-radicais da mesma religião.

A intolerância é um dos piores sentimentos que existem. Tolerar é diferente de aceitar. Ninguém precisa aceitar algo, mas devemos tolerar na maioria das vezes. O problema da intolerância ideológica é quando isso atinge o próprio grupo. Muitos movimentos entraram em colapso por brigas internas, quase sempre geradas por membros radicais que passaram a perseguir antigos companheiros, alegando que estes não era “legítimos” ou que eram “traidores” por não seguirem à risca uma cartilha ditada por meia dúzia de extremistas.

Como eu não suporto este tipo de pessoa, sempre acabo me afastando de quem tem essas atitudes. Primeiro, porque eu não ajo assim com ninguém, por isso não aceito que me tratem da mesma maneira. Outra, me irrita profundamente quando um sujeito pequeno (que pensa ser grande) tenta se impor como se fosse meu mestre.

Estou longe de me considerar um homem pronto, pois acredito que há muito que aprender nesta vida, porém me considero num estádio avançado – sobre determinados assuntos -- em relação a muitos que conheço. Uso do meu conhecimento e experiência para ajudar, não imponho nada. Mesmo com a minha experiência, ainda posso estar errado. Talvez eu só perceba meu erro na velhice, perto do fim; ou morra sem nunca me dar conta do meu erro.

Por este motivo, detesto sujeitos arrogantes que pensam ser um mestre ou alguém iluminado e que vem me dar lição de moral ou, como preferir, meter a real.

Sou um dos caras mais antigos no Orkut a falar de feminismo, tendo criado a comunidade Antifeminismo (a maior em língua portuguesa sobre o assunto) em 2005. Em 2006/2007 fiz parte da OLODM (O Lado Obscuro Das Mulheres), comunidade criada incialmente para discutir as obras de Nessahan Alita (tendo como principal “Como lidar com mulheres”). No início, o nível dos participantes era alto, talvez sua melhor fase, onde o próprio Nessahan Alita participava.

Com tempo, foram chegando novos caras, cada qual com sua história e seu modo próprio de expressar suas idéias. Uma divisão começou a surgiu: de um lado, caras civilizados, educados, cultos, que entravam para discutir sobre relacionamento, pediam conselhos, davam conselhos e faziam da comunidade um lugar útil e produtivo. Do outro lado, os que se diziam “honrados e viris” a cada frase proferida. Souberam como destruir o conceito de honra e virilidade, transformando estas duas palavras em sinônimo de idiotice, estupidez, burrice, intolerância e fanatismo.

Foi nesta comunidade onde li pela primeira vez alguns termos como “matrix”, “matrixiano”, “mangina” “capitão salva putas” e “meter a real”. Esta última expressão era mais comum na boca dos radicais e intolerantes. As demais eram usadas largamente por todos, principalmente “matrix” e “matrixiano”.

Eu já expliquei neste artigo sobre a definição de “matrixiano” e “mangina”. Eu nunca gostei muito destas expressões da OLODM, por isso sempre as usei de maneira bem restrita. A partir de hoje, não usarei de maneira alguma o termo “matrix” e nem chamarei ninguém de “matrixiano”, a não ser ironicamente. Vou explicar o porquê.

A definição de matrix foi criada para se referir aos homens que estavam presos numa ilusão, em analogia ao filme Matrix. O problema é que ninguém pode dizer com certeza quem está na matrix ou saiu dela. A definiçãode matrix, como expliquei neste artigo é muito controvertida, pois existem aqueles que dizem se referir ao apaixonamento e a prisão que acomete o homem. Há quem diga que todo tipo de amor por uma mulher é uma matrix. Outros, mais radicais, chamam de matrixiano qualquer homem que pense em ter um compromisso sério com uma mulher. Nesta dificuldade de se chegar à uma real definição, fica claro que nenhum de nós está apto a dizer o que é matrix e nem condições de classificar os outros como matrixianos.

Já a expressão “meter a real” sempre foi usada, principalmente pelos mais radicais e intolerantes, para insultar qualquer pessoa que não os agradasse. Não era somente ao emos, feministas e inimigos da comunidade, mas quase sempre dirigido aos demais membros que não tinham o mesmo ponto de vista ou aqueles que ousavam se abir e expor suas fraquezas. O “mestres da real” logo vinham com uma avalanche de insultos, não perdoando nem a mãe dos outros (isso porque se diziam honrados), e alegavam que um sujeito na matrix só sairia desta condição levando uma real (traduzindo: “Vamos encher ele de porrada pra ver se vira homem e para de choramingar”).

Não que eu seja totalmente contra este método mais agressivo para ajudar um AMIGO, mas isso é para quem conhece a pessoa, conhece seu problema e está sendo agressivo como um método mais drástico. Agora, estes senhores não estavam preocupados em conhecer os problemas de ninguém, liam um pequeno relato e já se achavam detentores do conhecimento absoluto e no direito de atropelar todos os outros com ofensas gratuitas. Infelizmente, este tipo de atitude fez sucesso ente a molecada revoltada que chagava na comunidade.

Aqueles meninos, ainda na adolescência, sem experiência da vida. Na primeira desilusão amorosa, o primeiro fora de suas vidas, tomam ódio das mulheres e passam a achar que todas são imprestáveis. Ao verem homens tão “honrados e viris metendo a real sem vaselina nos matrixianos”, logo esses meninos acabaram vendo neles um modelo de herói, o modelo de masculinidade a ser seguido. Ser um macho de verdade era odiar as mulheres, em primeiro lugar, vendo-as somente como “sacos de esperma”, sem exceção. Aqueles que discordassem disso e procurassem dizer que não se devia generalizar, até mesmo pelo fato de existirem milhares de culturas diferentes que nem todos tinham a mesma educação e que o Feminismo ainda não entrou em todas as casas, este era xingado, chamado de desonrado, frouxo, feminista e, é claro, matrixiano. Eu já fui chamado de feminista, tem cabimento? Justamente por aqueles que nunca escreveram um “A” para denunciar as mentiras do Feminismo e da sua luta contra a família tradicional e os homens de bem. Foi assim que saí da OLODM pela 1ª vez.

12 comentários:

Sr. X disse...

Matrixiano, na minha opinião, é aquele que acredita que romantismo funciona. É aquele que acredita na ética feminina. E, acima de tudo, quem defende o feminismo.

A origem da palavra é esta. E DEVERIA ser usada apenas neste contexto. Infelizmente, sempre haverá quem distorça os ensinamentos originais de NA.

Gostei do texto. Acredito que o maior problema do movimento é a falta de união. Qualquer divergenciazinha é suficiente para se criar uma divisão no movimento. E isso vale para todas as alas da real, infelizmente.

Professor disse...

Parabéns pelo EXCELENTE texto e pela iniciativa, visto que uma considerável quantidade de homens não têm coragem de peitar os "guerreiros da real".

Confesso que leio e acompanho apenas dois blogs da chamada Central Masculinista, porque às vezes vejo algo de útil e interessante neles, o restante visito vez em quando.


Relamente o que surgiu de moleque metido a macho que praticava todo tipo de molecagem no cotidiano e postava na OLODM como uma conquista louvável era enfadonho; "metel a real!" diziam eles.

Mas haviam outros jargões:

"Vai namorar sério? matrixiano!"

"Mulher sincera, só as GPS!"

OBS.: Sinceras em suas reais intenções, ÀS VEZES podem até ser, mas daí a defender que homem honrado busca apenas prostitutas e sexo casual com piranhas é um grande insulto aos verdadeiros homens honrados que buscam constituir família.

É muito fácil pagar para ter sexo, difícil é assumir um compromisso, o qual envolve responsabilidades, virilidade,paciência, esforço,etc. e somente um homem de verdade assume tal compromisso.

Evidentemente que macho de verdade não é burro e aprendeu com a vida a ser prudente também nessa área, portanto ele não afirmará compromisso com qualquer uma, porém um relacionamento sério é uma nescessidade do psicológico/emocional humano, e o gênero masculino não está isento dessa nescessidade, coisa que a ciência prova, mas que alguns "fodões da real" não entendem pois esqueceram de estudar essa área do relacionamento humano.

Uma coisa: respeito alguns blogueiros masculinistas, nos quais observei sinceridade e postagem úteis e interessantes para homens, porém não apóio qualquer atitude que não considere correta, mesmo que seja taxado de "matrixiano".


Mais uma vez parabéns pela iniciativa; tenho certeza que esse texto não teve por objetivo ofender alguém,mas quer apostar como alguns ficarão profundamente ofendidos e aparecerão fazendo escândalos por não conseguirem debater assuntos como homens civilizados?

Indefinido disse...

"Eu já fui chamado de feminista, tem cabimento?"

Cabimento nenhum.Logo uma das nossas principais representações antifeministas.O que menos pode ser chamado de feminista é essa grande figura que faz o nosso movimento.E concordo com o Sr.X.O grande problema é a desunião.Se não fosse isso,já estaríamos avançados a muito tempo.Eu confesso,que,algumas vezes,eu me excedo,mas apenas com feministas,e quando elas nos atacam.Mas,no restante,acho que,sem elas nos atacarem e haverem ataques entre membros do próprio movimento,não está com nada.

barrosdelimaster disse...

"Estou longe de me considerar um homem pronto, pois acredito que há muito que aprender nesta vida, ..."

Lobo,

Fiz disto a mimnha filosofia de vida. E te digo, quisera eu na minha juvenude saber o que eu sei hoje. Teria cometidos menos erros.

Humildade não á para qualquer um, apenas para sábios. Talvez esta seja a primeira liçao para qualquer ser que se iniciar na vida. Talvez seja a lição para qualquer guerreiro. Nunca se aprende nada nesta vida sem a humildade. Entenda que humildade nada tem a ver com submissão. Humildade tem muito mais a ver com sabedoria do que mesmo intelgiência.

Muito bom o post!!!

Izabel disse...

Para um post longo, um comentário longo, rs!
É por essas e outras que entro muito mais no seu blog, e dou muito mais crédito a seus textos, pois são coesos, pensados e respeitos.

Certa vez em uma comunidade comentei que ser machão insultando mulheres é fácil, difícil é sustentar valores e uma família mantendo-a educada dentro de seus conceitos morais, no mundo doido que agente vive.

Eu não sou perfeita longe disso, mas tenho meus valores e minha forma de pensar, mas não importa o que vc diga para "caras metedores de real" se vc é mulher e fala alguma cosa vc só está querendo posar de exceção.

E o pior quando se é mulher e não se concorda com o feminismo vc acaba sofrendo preconceito de ambos os lados.

Concordo com vc forte abraço.

Indefinido disse...

"E o pior quando se é mulher e não se concorda com o feminismo vc acaba sofrendo preconceito de ambos os lados."

Pois é Izabel.E é isso que não concordo nos misóginos.A mulher não-feminista,que é a mulher de verdade,tem que ser nossa base de apoio.Pois,sem ela,nossa causa é surda.Pois ela é que prova que o feminismo nçao representa mulher nenhuma,como elas querem dizer para a sociedade.E é isso que queremos mostrar a eles.

tiago.kop disse...

Vou falar por mim, comecei lendo os textos do Doutrina, e como todos sabem, ele tem um jeito peculiar de escrever. Depois passei a ler os artigos do Silvio, chegando a ler praticamente todos do blog OPMFDM. Acredito sim que o termo "meter a real" funciona, pois funcionou comigo, mas tem uma coisa: a pessoa deve estar certa do que diz quando "mete a real", pois muitas vezes vi pessoas escrevendo coisas que não condiziam com a realidade dos fatos. Outra coisa: um cara chega de um relacionamento de 5 anos, deu tudo de si para a garota, pago faculdade, deixou de estudar para ficar com ela, perdeu tempo bajulando uma pessoa que, o largaria tempos depois, com um simples "Você é legal, mais eu amo outro". Então esse mesmo cara chega aos blogs e fóruns masculinistas arrasado, acredito que a melhor forma de ajuda-lo não distribuindo porrada e enfiando real por todos os orifícios do rapaz, mas uma hora, mais cedo ou mais tarde, a real vai ter que ser "metida", se essa é a melhor expressão. Lembrando que é apenas a humilde opinião de um recruta da real.

Marcelo disse...

Muito bom, lobo.
Desde 2007 que me despertei para os problemas do feminismo, e vc sempre pareceu uma pessoa sensata - embora eventuais discordâncias surjam. Bom ver que continua assim.

Lobo Sagrado disse...

Gostaria de agradecer a todas as visitas e comentários, antes de tudo.

Sr. X,

“Matrixiano, na minha opinião, é aquele que acredita que romantismo funciona. É aquele que acredita na ética feminina. E, acima de tudo, quem defende o feminismo.”

Concordo com a sua primeira afirmação. A base para o que podemos chamar de “matrix” é a ilusão do amor romântico, de acreditar em baboseiras do tipo “quando se ama, tudo é possível”, “quem ama, perdoa” (muito usada pelas mulheres de hoje para fazer os homens perdoarem traição), “pai é quem cria” (“assuma o meu filho, seu otáro!”).

Quanto à ética feminina, não vou afirmar que todo mulher é boa ou que tudo mulher não presta. Assim, poderemos entrar no discurso misógino. O ser humano, seja homem ou mulher, agrega muitas características que podem variar em intensidade de sexo para sexo e pessoa para pessoa. Assim como eu acredito que homens justos e honestos são poucos, também acredito que algumas poucas mulheres são boas e honradas. É exatamente aí que critico certos “guerreiros da real”, que jogam todas as mulheres num mesmo saco e dizem que são iguais e acabou. Coisa de quem tem preguiça de raciocinar para pode classificar e analisar cada caso à parte.

Como eu disse nesse texto, não vou mais usar mais estas expressões da “real” porque foram distorcidas e não se encaixam mais naquilo que tenho como definição. Sempre entendi que ser matrixiano era ser um sujeito iludido com o amor romântico e com a “bondade natural” das mulheres. Nem sempre o matrixiano é a favor do feminismo, pelo contrário. Na minha época de “matrix”, eu achava que as mulheres eram superiores num sentido de evolução espiritual, que fossem mais capazes de frear seus innstintos e que sua presença ajudava o homem a controlar sua animalidade e evoluir como ser humano. Era uma visão espiritualista e muito MACHISTA (pois eu sempre vi homem e mulher como diferentes, me inspirando no mito da Bela e a Fera para construir estes conceitos).

O cara que defende a putaria feminina e o feminismo é o “mangina”, que é aquele sujeito que cortou o próprio pênis (metaforicamente) e se submeteu ao poder feminista, acreditando que obteria vantagens (é como trair seus amigos por medo do inimigo e ao mesmo tempo para conseguir vantagens pessoais).


Professor,

O grande problema é que muitos que entram nestas comunidades da “real” acabaram de sair de relacionamentos traumatizantes e não recebem a assistência que precisam. Era muito comum na OLODM (hoje não é mais assim) um cara chegar relatando seu relacionamento e dizendo com detalhes de todas as besteiras que fez. Ao invés de ouvir bons conselhos, apontamentos de seus erros a partir do próprio relato, a maioria já vinha cheia de superioridade “meter a real”. Esculachavam o coitado, diziam que ele havia sido um idiota porque mulher nenhuma presta e que não se deve confiar em nenhuma delas, sem exceção. Eles (os “guerreiros”) se orgulhavam de usar este palavreado, achando que quanto mais grosso, estúpido fosse, mais viril seu discurso era.

Não é a toa que o cara logo se tornava um misógino. O erro dele não era a escolha da mulher ou suas atitudes, mas o simples fato de se envolver com uma mulher. Agora que ele conheceu a “real”, ele não deveria mais namorar, nem mesmo respeitar uma mulher. Quando quiser sexo, pague uma prostituta. Simples.

Muitos fizeram o estrago e poucos estão tentando consertar essa porcaria que fizeram. Meu trabalho, desde então, multiplicou. Não basta somente combater o feminismo, também tenho de enfrentar os misóginos, os babacas da real e mostrar aos novatos que o sucesso ou fracasso de um relacionamento é também culpa sua, de suas escolhas e atitudes.



Indefinido,

Obrigado, cara. Você é um dos mais antigos, vem me acompanhando desde o começo e sabe muito bem o quanto me esforço neste caminho tortuoso.

Lobo Sagrado disse...

Barros,

“(...) quisera eu na minha juventude saber o que eu sei hoje. Teria cometidos menos erros.”

Acho que todos nós temos estas sensação; mas sempre penso comigo que nunca é tarde para fazermos a nossa parte.


”Humildade não á para qualquer um, apenas para sábios. Talvez esta seja a primeira liçao para qualquer ser que se iniciar na vida. Talvez seja a lição para qualquer guerreiro. Nunca se aprende nada nesta vida sem a humildade. Entenda que humildade nada tem a ver com submissão. Humildade tem muito mais a ver com sabedoria do que mesmo inteligiência.”

Penso que devemos sempre ser humildes com os humildes, mas não podemos permitir que os soberbos nos pisem. Se alguém inferior a mim tenta me pisar, mostro a ela quem sou e a ponho em seu lugar.

Já fiz isso com muita gente e por incrível que pareça, estas pessoas passaram a me respeitar.

Tirando isso, concordo com você sobre ser humildade. Devemos sempre nos ver como seres em construção, pois isso possibilita uma constante evolução.

Izabel,

“Certa vez em uma comunidade comentei que ser machão insultando mulheres é fácil, difícil é sustentar valores e uma família mantendo-a educada dentro de seus conceitos morais, no mundo doido que agente vive.”

Estes caras queimam o filme de homens sérios que busca defender a família patriarcal e os valores verdadeiramente masculinos e femininos. É o que eu considero o lado negro do machismo, o machismo não esclarecido.

Eu defendo que o homem não é um líder somente por direito, mas por obrigação. Seu dever é proteger, prover e morrer pela defesa de seu clã/família. O fato dele ter a última palavra não significa que pode agir arbitrariamente sobre a vida de seus familiares e oprimi-los. Sua decisão deve sempre ser pautada no bem estar de todos, e sua autoridade deve ser reconhecida por respeito à sua sabedoria e força de espírito e não por meios coercitivos.

Talvez seja esta a diferença entre o menino e o homem: o modo como ele demonstra sua masculinidade.

“Eu não sou perfeita longe disso, mas tenho meus valores e minha forma de pensar, mas não importa o que vc diga para "caras metedores de real" se vc é mulher e fala alguma cosa vc só está querendo posar de exceção.”

Não pense que isso só acontece com as mulheres que tentam discutir com os “guerreiros”, qualquer um de nós que tente defender a honra de sua namorada/noiva/esposa, tem de ouvir desaforos. Não é a toa que depois de termos nossas mulheres insultadas (por homens que se dizem HONRADOS) e com os demais compactuando com estes insultos, a única coisa que nos resta é abandonar a comunidade. Já não existe a mínima condição de diálogo.

Tiago,

O problema é quando o cara se acha no direito de sair por aí julgando todos sob seu ponto de vista sem nem ao menos conhecer o caso. Como eu disse no texto, falar sobre o que não se conhece é dar palpite. Palpitar é coisa de MULHER!

O que me irrita é que certos sujeitos acham que são donos da verdade e desqualificam qualquer idéia diferente, mesmo vindo de “veteranos” (“old school”, “velha guarda”, como queira chamar).

O termo “meter a real” me lembra muito da minha adolescência em São Paulo, onde eu convivia com “manos” e eles falavam algo mais ou menos assim. “Fica na moral, seu nóia! É nóis que comanda e mete a real. Ceeerrrrto!?” Resumindo: não dá pra levar a sério quem usa linguagem de adolescente metido a macho que busca auto afirmação.





Marcelo,

“Desde 2007 que me despertei para os problemas do feminismo, e vc sempre pareceu uma pessoa sensata - embora eventuais discordâncias surjam.”

Não sou perfeito. Às vezes eu mesmo discordo de idéias que defendo e reformulo conceitos. Por exemplo, não pretendo mais usar o termo “matrix” mais, a não ser que não encontre algo que realmente remeta ao sentido que pretendo passar. Difícil falar em matrix quando cada um tem uma opinião sobre o assunto que diverge bastante.

Abraço a todos.

Kimmy disse...

Lobo,

fico feliz por você ter finalmente ter feito posts falando a verdade sobre esses falsos homens honrados. São depoimentos que se lê que você fica de boca aberta.

Eu lia o blog do Sílvio, mas acho que apesar dele ás vezes falar a verdade, eu acho que ele é muito mais um cara caricato tanto que tem vezes eu não acredito no que ele fala.

O blog do Doutrinador é bom, não lembro de misoginia lá.

O do The Truth é ótimo, ás vezes ele adota um caráter pessimista mas pelo menos ele critica o lado prosmíscuo das mulheres e dos homens também, hipocrisia é demais!

Leio ainda o "Reflexões Masculinas" pois apesar de ter algumas besteiras (como agora ser comum piadas ou textos falando mal do casamento) tem uns ótimos textos falando a verdade.

Agora já li o "Canal do Búfalo" e o fórum do Sílvio e fico impressionada com o nível de machismo/cafajestagem lá. Tem um tal de "Pragakham" que minha nossa! Se for ler o forumspring nele você vê o quanto ele é nível baixo tanto quanto feministas revoltadas promíscuas. Ele ahca exatamente isso: que mulher exceção não existe, mulheres são feitas exatamente para serem saco de esperma. Ele é tão cafageste que fica se vanglorizando até por ter desvirginado meninas com a desculpa de "mulher virgem é pior que puta, pois tem puta que não dá o **". depois eu vi que ele é um cara revoltado provavelmente por ter sido usado ou desprezado por alguma mulher aí vem com um comportamento cretino e completamente deshonrado e pior: dando conselho para os outros.

Sério, não é que se deva acreditar fielmente na mulher sem analisá-la antes mas ficar julgando sem nem conhecer a pessoa direito é demais. Um cara como esse Pragakham é quem para ficar julgando as mulheres se ele age igual a elas?

Concordo com você. Odeio hipocrisia, homens falam mal do comportamento promíscuo e do mal caráter das mulheres mas como eles podem falar mal delas se eles agem da mesma forma? Li isso uma vez no forum de "homens honrados" se eles querem viver na libertinagem, não critiquem o comportamento das mulheres! Pois eles mesmo estão contribuindo para a disseminação desse comportamento! E de preferência saiam do forum e não se nomeiem "homens honrados" mais.

Me sinto na mesma situação que a Izabel: por isso que nem entro nesses blogs, sabe? Se eu discutir, vão achar que eu possa ser feminista ou posar de exceção só por ser mulher! Ou podem até dizer que sou uma puta mascarada ou pseudo santa. Sou uma pessoa diferente com qualidades e defeitos, fui criada por valores tradicionais pelos pais serem mais velhos do que a média mas isso não me faz necessariamente ser santa ou pura (na alma, digo, todos nós erramos) sou apenas uma garota sensata que não defende esse tipo de comportamento.

É verdade, esses caras parecem muleques que se acham homens apontando os erros humilhando os outros, julgando com a razão de "meter a real" se achando superiores. Essa é uma prova da arrogância humana.

Muito bom post, Lobo! Você é um dos poucos (o primeiro que li) verdadeiramente blog de um homem honrado e coeso sem contradições e incentivos a comportamentos errados.

Clarice Tarrago disse...

DONO DA VERDADE

BOM,POR VÁRIAS RAZÕES,E PRINCIPALMENTE POR A MINHA,ME VEJO OBRIGADO A EXPRESSAR MINHA OPINIÃO SOBRE A EXPRESSÃO DONO DA VERDADE.
EM MINHA CAMINHADA ,MUITAS VÊZES FUI CHAMADA DE DONA DA VERDADE,ALIÁS XINGADA DESSA FORMA.ACREDITO QUE DESDE QUE ME CONHEÇO POR GENTE,DEFENDI FORTEMENTE O QUE EU SENTIA.COM O DECORRER DO TEMPO E A DITA BUSCA ESPIRITUAL,ESSA MINHA FORMA DE SER TOMOU MAIS FORÇA,POIS PELO QUE ENTENDI,O MAIOR MESTRE ESTÁ DENTRO DE NÓS,ACUSADO POR MUITOS,DE EGO.NESSA GUERRA DE INFORMAÇÕES,ME DEI CONTA QUE NÃO EXISTE ELABORAÇÃO,OU DIRÍAMOS,DEGUSTAÇÃO EM RELAÇÃO AS INFORMAÇÕES QUE RECEBEMOS DE FORA.....SIMPLESMENTE ENGOLEM.ISSO ME LEMBRA MUITO O ATO DE ENGOLIR A HÓSTIA COMO CORPO DE CRISTO.
BOM....MUITO OUVI,QUE EXISTE UM MUNDO SUPERIOR,ONDE TODAS AS IDÉIAS NAVEGAM LIVREMENTE,SEM NENHUM SENSOR DE USO EM RELAÇÃO A QUEM VAI MATERIALIZÁ-LAS OU CANALIZÁ-LAS NESSE PLANO TRIDIMENSIONAL.ESSA IDÉIA,SEMPRE ECUOU NOS MEIOS ,DIRÍAMOS ESPIRITUALIZADOS,ATRAVÉS DE PESSOAS QUE SE DIZEM ESPIRITUALIZADAS.
HOJE,MEU CORPO VIBROU MUITO FORTE,QUANDO A GOTA D'AGUA,DE UM ASSUNTO REFERENTE A DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS,BATEU EM MINHA PORTA.NÃO PUDE SEPARAR ISSO DO FATO DA COBRANÇA DE INDULGÊNCIAS POR PARTE DA IGREJA.PARA QUEM NÃO SABE,INDULGÊNCIA,ERA O PERDÃO DIVINO E PASSAPORTE PARA ENTRAR NO PARAISO,VENDIDO POR ALGUMAS IGREJAS.COM CERTEZA ELAS NÃO SÃO ACUSADAS DE DONAS DA VERDADE.
SERÁ QUE O ATO DE PENSAR E DISCERNIR NOS TORNA RÉUS NOMEADOS DE DONOS DA VERDADE?
SERÁ QUE A BUSCA DA INDIVIDUALIDADE,SAINDO DO BRETE,É UMA FACA DE DOIS LEGUMES?
SERÁ QUE SE INDIVIDUALIZAR (PENSAR POR SI PRÓPRIO) É UM CRIME?
SERÁ QUE VIVERMOS COMO ALMA GRUPO É A GRANDE VERDADE?
SERÁ QUE APENAS EU ACREDITO QUE TODA A MATERIALIZAÇÃO DE UMA IDÉIA TENHA QUE TER DIREITO LIVRE DE ACESSO E USO?
SERÁ QUE,SE APALAVRA AMOR FOSSE REGISTRADA POR ALGUÉM,E COBRADO DIREITOS AUTORAIS,SERIA MAIS VALORIZADA?
BOM............

CLARICE TARRAGO ROSA-
PSEUDÔNIMO...DONA DA VERDADE