quarta-feira, 12 de maio de 2010

Mamães em extinção.

A Maternidade é uma coisa maravilhosa e única. É próprio das fêmeas de todas as espécies superiores. Entre os seres humanos não é diferente; ser mãe é algo possível somente às mulheres, e somente elas são capazes de gerar em seu ventre uma nova vida e depois alimentar este pequeno ser com o leite que sai de seu corpo.

Esta é uma verdade incontestável: a mulher nasceu para ser mãe!

Você, mulher feminista, moderninha e descolada, pode dar chiliques, se descabelar e espetar um boneco com a minha cara; eu não sou responsável por este triste fardo que as mulheres devem carregar, estou apenas ressaltando uma verdade – ABSOLUTA --, da inegável responsabilidade das mulheres em gerar e amamentar seu filhos.

É claro que nem toda mulher tem talento para a Maternidade. Seja pelo mau caratismo, pela irresponsabilidade, pela ausência de bons sentimentos, pela falta de feminilidade; este tipo de mulher é uma exceção, para não dizer aberração.
Como eu disse, não venha me xingar, não estou falando nenhuma mentira. A Natureza criou machos e fêmeas para que se unam e deem continuidade à vida. É o ciclo, do qual estudamos na escola: nascer, crescer, se reproduzir e morrer. É o destino tanto de machos quanto das fêmeas. As espécies evoluíram de modo a criar filhotes cada vez mais frágeis (devido à complexidade destes organismos) e cada vez mais dependentes dos pais. Por conta disso, mães mamíferas acabaram tendo de passar um tempo maior com suas crias, deixando para os machos outros cuidados, como a caça e a proteção do território.

Entre os humanos não foi diferente. Homens pré-históricos enfrentavam feras para tirar delas o alimento e enfrentavam outras tribos para a defesa do grupo. As mulheres eram protegidas pelos homens para que pudessem se dedicar aos seus filhos. O bebê humano é considerado um dos FILHOTES MAIS FRÁGEIS DA NATUREZA, dependendo de todo o cuidado possível, possibilitado somente pelo zelo extremo de sua mãe. Imagine se uma mulher das cavernas fosse desleixada e deixasse seu filho para seguir o marido nas expedições?

Não preciso dizer que muitos bebês morreram por conta disso. Manter o lar limpo, arejado, alimentar o bebê regularmente, limpa-lo, afaga-lo e protege-lo do frio, tudo isso foi fundamental para a sobrevivência da espécie humana. Se naquele tempo as mulheres fossem como são hoje, não estaríamos aqui e nenhum sutiã teria sido queimado. Se hoje existem feminista enchendo o saco, disseminando mentira e ódio contra símbolos de masculinidade e (também!) feminilidade, estas devem agradecer às tontas que deixaram para trás uma vida de aventuras, caçadas e guerras para levar uma vida monótona e chata de dona de toca e mãe.

Como era de se esperar, sobre este tema vemos mais mentiras e distorções vindo de feministas e simpatizantes. Algumas feministas e pederastas da área de Ciências Humanas conseguiram (até hoje não sei como) que instinto materno não existe entre as mulheres, pois tudo não passa de mais uma invenção do Patriarcado malvadão-falocêntrico-dominador-opressor de mocinhas indefesas.

Você consegue entender como pessoas que mal estudaram Biologia no ensino médio, se resumindo a ler livros escritos por outros pederastas das Ciências Humanas e alguns da Psicologia, conseguiram provar que um fator biológico não existe? Sem o estudo da Anatomia, da Fisiologia, da Bioquímica, da Genética, da Paleontologia, da Neurociência, da Zoologia, da observação de comportamento em animais de diferentes espécies, estas mentes brilhantes chegaram à conclusão de que o instinto materno é inexistente nas mulheres e pronto.

Seria como ir a um médico e relatar a ele o que você está sentindo, você vai embora e o médico faz uma revisão bibliográfica. Duas semanas depois, você volta ao consultório e ele te diz que você tem um tumor no cérebro e marca a cirurgia para a próxima semana. Simples.

O que estes “cientistas” fizeram foi praticamente a mesma porcaria. O interessante é que há muita divergência de opinião entre profissionais da biologia e da sociologia/história no referente ao instinto materno. Enquanto os primeiros assumem a existência do instinto materno (sem nunca negar as influências sociais), o segundo grupo se nega a aceitar qualquer influência da natureza no comportamento Humano e ainda chama de “reducionismo” o pensamento dos primeiros ou quem pensa como eles.

Para tentar validar tal argumento, fazem referências às mulheres que jogam filhos no lixo ou daquelas que simplesmente são mulheres frias e omissas, sendo seus filhos bem melhor cuidados pelo pai. Este tipo de argumento não prova nada. Primeiro, toda regra tem exceção. Mulheres que não amam seus filhos são infinitamente a minoria. Segundo, a cultura tem seu peso, isto eu nunca neguei e também não é negado pelos profissionais da área de biológicas. O que acontece é que nossos instintos podem ser reprimidos até certo ponto. O que vem ocorrendo nos dias atuais é exatamente isso.

A mulher tem seu instinto materno reprimido pelos ideais feministas, aprendendo que filho não deve ser priorizado. Na verdade, o filho deve ser colocado na lista três posições abaixo do item “comprar um duplex”, uma posição abaixo do item “levar meu (cão) yorkshire para conhecer a Europa”, e dois acima de “arrumar um marido”.
Esta mulher acaba seguindo a cartilha da super-mulher do século 21 quando mais jovem. Quando a idade chega e ela viu que tem tudo, percebe que falta algo e isso a deixa in feliz. O que será? Consultórios de análise faturam milhões por ano e a indústria de antidepressivos faz a festa. Se eu fosse um analista, jamais escreveria o que escrevo aqui neste blog. Pelo contrário, eu iria apoiar o Feminismo com unhas e dentes.

Hoje as mulheres trabalham fora e ganham muito dinheiro, porém são mais infelizes do que há 40 anos atrás, quando a Betty Frígida falava do “mal sem nome” (gostaria de saber que nome ela daria para isso aqui!). Gastam uma parte de suas riquezas em tratamento. É claro que os que lucram com as frustrações femininas jamais irão se opor ao feminismo.

À mulher mais velha, recomendo que pense logo no que está fazendo, pois o tempo é curto e depois não há como voltar atrás. Para a jovem, peço que tenha personalidade suficiente e não faça algo por modismo ou somente pelos outros. Mesmo que sua família seja chata, ela ainda é a melhor coisa que você tem. Nunca se esqueça disso.

Agradeço à minha mãe pelos bons exemplos que sempre me ensinou, por sua dedicação incondicional e por nunca ter sido uma mulher feminista.

Parabéns a todas as mães de verdade.

11 comentários:

Karen Indignada disse...

Toda mulher nasceu pra ser mãe, as que negam o fato é porque sabem inconscientemente que não vão casar e não vão parir. É como uma defesa pessoal, só que na forma de ataque à maternidade.
Pobres diabas.





http://desastrososvirtuais.blogspot.com

Entis Mistério disse...

Eu sou estudante de Psicologia e converso com feministas o tempo todo, e elas dizem nunca precisarem dos homens. Isso é preocupante, a espécie humana parece caminhar para um funesto destino.Quanto a questão de ser analista e não opinar em oposição ao feminismo, isso não é correto. Um bom psicólogo pode opinar no sentido de que homens e mulheres são seres humanos, e que devem trabalhar juntos para viver melhor. Essa palhaçada de machismo e feminismo é o reflexo de uma cultura decadente. Defendo que o homem tem seu papel, e a mulher o dela, nenhum é melhor que o outro, são importantes na mesma proporção para ser possível a preservação da espécie. Isso é óbvio até para um macaco. Eu sou um homem que pretende ser um bom psicólogo, e me preocupo com as questões acerca dessa batalha entre os sexos, pois entendo que todos estão perdendo: homens e mulheres. Os relacionamentos estão cada vez mais insustentáveis, as pessoas estão ficando deprimidas e perdidas em meio a tanta confusão. É preciso mudar esse quadro, de forma que homens e mulheres possam conviver de forma decente. Machismo e feminismo... falácias que só causam prejuízo. Esse é meu ponto de vista, não me apoiei em nenhuma linha teórica. Obrigado.

Mario disse...

Lindo texto.

O feminismo vai contra a espécie humana e contra o instinto da preservação da espécie, e se dissemina cada vez mais. Se a situação piorar muito mais, é bem possivel que em alguns milenios a espécie humana seja formada apenas por mulheres ou desapareça totalmente.

Bizarro.

Lobo Sagrado disse...

Agradeço a todos pela visita.

Entis,

Eu concordo com você quanto a esta questao de "guerra dos sexos". O que sempre me indignou no feminismo desde o começo foi ver a pregação das mulheres contra os homens, usando de falácias históricas e distorçoes de dados oficiais.

Eu sempre defendi a manutençao de papéis tradicionais na sociedade por vê-los como fundamentais para a presenrvaçao de uma sociedade sadia e harmoniosa.

Nao vejo no Patriarcado algo que favoreca homens em detrimento das mulheres. Vejo no Patriarcado certas obrigaçãos que podem ser somente dos homens ou somente das mulheres, porem, sempre que isso ocorre, ha algo que compense esta perda.

As feministas lutam pelo fim do Patriarcado somente onde lhes convem, quando a lei patriarcal dá às mulheres privilégios, então as mesmas feministas que se dizem igualitárias simplesmente igonoram. Quando questionadas, tentam fugir, ou fazem comentários de deboche u então se fazem de vitimas e acusam os proóprios homens de responsaveis ela manutençao destes privilégios.

Nao sei o que você entende por machismo, meu minha definição é de "modos de macho", portanto, ser machista é ser macho. Que sejamos todos nós, homens, machistas, então!

O feminismo tenta demonizar o machismo ao maximo para que os proprios homens comecem a rejeuta-lo, perdendo, assim, sua essencia masculina e se tornando um ser bissexuado/assexuado/castrado psicologicamente. Devemos estar sempre atentos às suas artimanhas, pois e "el@s" jogam sujo!

Entis Mistério disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Entis Mistério disse...

Gostei da sua posição lobo! Entendendo machismo dessa forma, eu concordo. O problema é que as feministas podem utilizar dessa definição para jogar contra nós, dizendo que feminista é uma maneira de agir de fêmea; pensando assim, a idéia de machismo se torna prejudicial. Então, penso (esse é meu ponto de vista somente)que não deveríamos utilizar a palavra "machista", somente precisamos dizer que somos homens e que agimos como homens, sem chamar esse agir como homem de machismo. É ser homem e agir como homem, e ser mulher e agir como mulher. O problema de criar nomes para ações e características simples é a confusão que isso causa. Melhor me parece é somente chamar a coisa pelo o que ela realmente é: agir como homem é ser homem, e não ser machista; agir como mulher é ser mulher, e não feminista. Dessa forma, homem e mulher podem tentar coexistir de forma mais harmoniosa, sem os desgastes provocados por essas posições fascistas. É apenas meu ponto de vista, isso por causa dos absurdos que venho observando nos relacionamentos. Hoje pensar em namorar, casar, juntar, sei lá mais o que, exige uma reflexão incrivelmente desgastante! É um inferno na verdade! Estamos vivendo tempos funestos, e não vamos durar muito se a coisa continuar da forma que está... e progredindo para pior. É preciso tentar mudar esse quadro, disso eu sei com certeza. Abraço.

João Neto disse...

Belo texto Lobo. Concordo com gênero, número e grau.

Sobre esse negocio de machismo eu já sei oque significa; as feministas alteraram esse significado e o deturparam em seu favor.

Uma coisa interessante que notei é que nas comunidades do orkut onde eu e outros membros da OLODM's e afins explicamos o que significa machismo, as mulheres de lá agora estão entendendo todas as críticas à elas como misoginia e não mais machismo. Ou sejam, explicamos o real significado de uma palavra e agora estão usando outra para "se defender" de nossas críticas à elas e ao feminismo.

Quanto ao texto, de fato as mulheres nasceram para ser mães. E independente da cultura elas demonstram esse instinto; basta ver uma mulher segurando seu filho nos braços para chegarmos a essa conclusão. Às vezes, segurando qualquer bebê, emsmo que não seja o dela, ela demonstra esse afeto.

Indefinido disse...

Muito interessante Lobo.Principalmente quando cita o trecho em que diz que se a mulher das cavernas fossem que nem as feministas,fossem para as guerras e proteção do bando,como a mulher feminista quer fazer hoje,não teríamos raça humana hoje.Vemos que até a moça das cavernas eram mais sábias que a muhher moderna.Muito interessante também,quando falou que o feminismo reprimiu os sentimentos maternos e femininos da mulher.Temos que nos organizar cada vez mais contra isso.

Indefinido disse...

Muito bom,quando falou que mulheres que negam a maternidade são masculinas,aberrações.Concordo em gênero,número e grau.

JR72 disse...

bom eu li seu post e sinceramente acho que vc não tem o direito de decidir se as mulheres devem ou nao ter filhos, meu querido como vc mesmo disse essa LINDA DECISÃO é tda nossa, só nós podemos te-los. 'de novo peço para que leia backlash da susan faludi'... eu tenho uma relação estável e não pretendo ter filhos, simplesmente pq acho injusto em um mundo desse (e não me refiro aos dias atuais) colocar mais um p sofrer (sabe, responsabilidade a cima de vontade até),e é pessoas como vc de mente atrasada e estúpida, que me fizeram decidir por isso ,(e vou viver muito bem com essa minha decisão, vou adotar coisa que julgo melhor ainda do q simplesmente ter filhos) e pra queridinha ali em cima : eu posso ter um filho se quiser, estando casada ou não! GRAÇAS QUE EU ENCONTREI Alguém que me entende me ama e me apoia pq isso meus senhores é ser HOMEM de verdade!não preciso me mostrar inferior, posso me mostrar inteligente e bonita (pasmem) SEGURA acima de td! eu tive chance de ficar com um cara q nem vcs , dispensei depois de um tempo e foi a melhor coisa q já fiz! pq encontrei alguém que me ama DO JEITO QUE EU SOU sem ter que fingir NADA para AGRADAR , não sou frágil , sou filha de índio, uma etnia (termo correto) devastada pelo querido e protetor homem branco guarnido de suas pretensões egoístas e não pelas mulheres (FARSA MACHISTA) ! Cada post seu q eu leio pior fica ta loco! fique em PAZ SE FOR POSSÍVEL!

Lobo Sagrado disse...

JR72,

“bom eu li seu post e sinceramente acho que vc não tem o direito de decidir se as mulheres devem ou nao ter filhos, meu querido como vc mesmo disse essa LINDA DECISÃO é tda nossa, só nós podemos te-los.”

Aponte uma única linha onde eu digo que é obrigação de toda mulher engravidar? Eu disse apenas que engravidar é algo exclusivamente feminino, criado pela natureza e não pelo Patriarcado. Só como lembrete para feministas histéricas que acham que até isso os homens devem dividir com as mulheres.

“eu tenho uma relação estável e não pretendo ter filhos, simplesmente pq acho injusto em um mundo desse (e não me refiro aos dias atuais) colocar mais um p sofrer (sabe, responsabilidade a cima de vontade até),e é pessoas como vc de mente atrasada e estúpida, que me fizeram decidir por isso ,(e vou viver muito bem com essa minha decisão, vou adotar coisa que julgo melhor ainda do q simplesmente ter filhos)”

Interessante. Tenho a mesma opinião quando penso em filhos. No quanto podem ser ingratos, principalmente meninas. Após anos dando meu sangue, trabalhando arduamente para não faltar nada, enfrentar feras para protege-las, um belo dia ela inventa de ser feminista e saí por aí dizendo que homem nenhum presta como se não tivesse tido bons exemplos masculinos em casa. Ou vira uma dessas vagabundas hedonistas que só querem saber de “curtir” a vida, dando pra tudo quando é vagabundo, depois engravida de um marginal, me dando como neto um bastardo, futuro bandido como pai.

“Alguém que me entende me ama e me apoia pq isso meus senhores é ser HOMEM de verdade!”

Homem de verdade não se envolve com feminista. Homens de verdade não aceitam dividir seus territórios com outros machos ou pseudo-machos.

“Cada post seu q eu leio pior fica ta loco!”

Parece que você não ta mais acostumada com excesso de testosterona.


Honre e tua etnia. Fale com as tuas compatriotas sobre tudo isso que você pensa, vê se elas irão concordar com você. Até hoje nunca vi índia feminista. Deve ser porque eles ainda não sabem o que é trabalhar em escritório com ar condicionado.